quinta-feira, 27 de março de 2014

O Primo Basílio (parte 1/10) - Peça Teatral de Marcelo ASSIS

Luísa entra toda desgrenhada com uma camisola do final do Século XIX.
Luisa – O que está ocorrendo? Porque eu não estou na minha cama?  Felizmente, eu não sinto mais do e os meus cabelos não estão mais raspados! Será que eu me recuperei? Onde estão todos? Jorge! Jorge, Onde está você meu amor?!
Vozes em off.
Mulher – Jorge, não se assuste, mas seria bom pensar nos sacramentos...
Jorge – Os sacramentos!
Homem – Nada de tolices! Qual sacramentos! Para quê? Ela nem ouve, nem compreende, nem sente. É necessário deitar-lhe outro cáustico, talvez ventosas!  Isso que são os sacramentos!
Luísa – Não podes estar mais enganado meu amigo! Eu ouço, vejo e o pior de tudo..., sinto! O que se passa comigo? Será que estou sonhando, ou delirando? Ou será que estou...
Leopoldina entra.
Luísa – Leopoldina, tu sabes, que apesar de te adorar, eu não posso te receber em casa!
Leopoldina – E tu sempre muito apaixonada pelo seu marido? Fazes bem Luísa, mas vá lá uma mulher prender-se a um homem como o meu?
Luísa – Falando nisso, como vai o seu marido?
Leopoldina – Como sempre, pouco divertido – rindo – Sabes que acabei com o Mendonça?
Luísa  - Verdade?
Leopoldina – O que eu posso dizer? Eu me enganei...
Luísa – Como sempre ... – rindo
Leopoldina – O que eu posso fazer? A cada vez imagino que vai ser uma paixão, mas sempre é o mesmo fim: uma maçada! Mas um dia acerto!
Luísa – Vê se acertas mesmo! Já é tempo! Sabe que ás vezes, eu te acho muito indecente e que Jorge está certo e não te querer aqui em casa, mas... – dando uma volta em torno de Leopoldina - admiro tanto a beleza do seu corpo – começa a tocar o corpo de Leopoldina como se fosse uma obra de arte – é quase uma atração física! Um corpo de uma Vênus! Tu és a mais bem feita de Lisboa! Uma Mulher como tu, não podes sofrer nas mãos de um idiota! Tu deves mesmo ir atrás da paixão! Paixão, essa palavra faiscante e misteriosa, de onde a felicidade escorre como a água de uma taça muito cheia! Tu és livre como eu gostaria de ser! Mas voltando ao Mendonça, o sebento do Mendonça dos Calos, como se refere a ele, horrorizado por tua coragem de ter-se deitado com essa criatura, o meu marido, Mas o que foi que o Mendonça te fez?
Leopoldina – Entediou-me de uma forma que não o suporto mais! O ponto final foi uma carta tão ridícula, devo tê-la comigo...
Leopoldina começa a procurar na sua bolsa.
Leopoldina  - O programa do circo! Uma maravilha, a melhor delas, um trapezista, lindo, benfeito, uma perfeição!
Luísa – Tu não perdes tempo! – rindo
Leopoldina – Não perco mesmo, tenho tanto para te contar!
Luísa dá uma grande gargalhada.
Leopoldina - Não rias! Desta vez é sério!
Luísa – Desculpe..., mas quem é o novo felizardo!
Leopoldina – Um rapaz alto, louro, lindo! E que talento! Um poeta!
Luísa – Espero que este te faça mesmo feliz!
Leopoldina – Amém! Então o seu primo Basílio chega.
Luísa – Assim li hoje no Diário de Notícias. Fiquei pasmada!
Leopoldina – Tu eras tão apaixonada por ele, não restou nada desta paixão?
Luísa – É claro que não! Eu amo o meu marido! Não infeliz como tu!
Leopoldina – Sabes que nem ciúmes dos meus casos tem o bruto!
Luísa – Já o Jorge, quando seu primo, aquele que é escritor, disse que na sua próxima peça, ia fazer um marido perdoar a esposa infiel, quase deu-lhe uma surra, achando que era uma vergonha, que a única coisa digna que um marido pode fazer nessas circunstâncias é matar a esposa! Imaginas se fostes casadas com ele?
Leopoldina – Se não estivesse morta, estaria em breve, porque não resistiria ao teu primo! Pelo menos, não se ele continuar tão lindo! E como era elegante e sedutor! Ele, o Jorge nunca poderia chamar de sebento!
Luísa – Ele veio à Lisboa a negócios, eu não acredito que esteja entre seus planos procurar primas, principalmente as casadas!
Leopoldina – Desde quando isso seria um problema para mim! Eu iria até ele! E duvido que não conseguisse fazer a chama do nosso amor reacender!
Luísa – E o teu poeta? – rindo
Leopoldina – É tens razão! Se bem, que Basílio também é uma artista, que voz linda de barítono!
Luísa – Isso é verdade, mas pare de me tentar com o passado!
Leopoldina – Eu não sabia que estava te tentando!
Luísa – O passado deve ser esquecido! Principalmente quando não tem mais lugar na nossa vida! Eu fiz uma escolha e tenho uma vida que surgiu dessa escolha e com essa vida que me ocupo! Nela não há lugar para Basílio.
Mudança de iluminação.
Luísa – Brasílio é um cretino! Hoje quando fui encontrá-lo no Paraíso encontrei um primo do meu marido, disse que era muito arriscado tantas visitas que era melhor vir menos! Sabe o ele fez? Disse, quase com desprezo, que não viesse então! Ele não se importa comigo! Como minha reputação, com minha saúde! O nosso amor se transformou numa grande maçada como os seus casos! Onde está o defeito! Nós temos tudo para uma felicidade excepcional: somos novos, estamos cercados de mistérios, as dificuldades nos excitam, mas estamos quase a bocejar um como o outro!
Leopoldina- Talvez a dificuldade esteja no próprio amor! Só os começos são bons! Há então  um delírio, um entusiasmo, um bocadinho de céu, mas depois...! É necessário sempre recomeçar para sentir! Porque você acha que tenho tantos amantes?
Luísa – Mas um beijo de Jorge ainda me perturba e vivemos juntos há três anos! Já Basílio, de quem me tornei amante faz apenas 5 semanas,  diz que sou uma tola porque querer romance e paixão, que já temos intimidades demais para isso!
Leopoldina – Mas tu ainda o amas? Se ele quisesse te levar para Franca com ele tu irias? Se por alguma desgraça enviuvasse e tivesse a oportunidade, tu se casarias com ele?
Luísa – Não!
Leopoldina – então, porque ainda estás com ele?
Luísa – Não sei, como não sei o que me levou até ele! Terá sido a solidão por causa da ausência de Jorge mesclada ao tédio de não ter nada para fazer? Ou uma curiosidade mórbida e fantasiosa de ter um amante? Ou atração física? Ou apenas por vaidade feminina? Só sei, que não senti a felicidade, que os romances e as óperas tanto apregoam aos amores ilegítimos, que faz com os amantes esqueçam tudo na vida e enfrentem tudo, afrontem até a morte! Não chegou nem perto.

Leopoldina ri.
Luísa – Tu estás rindo da minha desgraça!
Leopoldina – Não sejas boba! Estou rindo de mim mesma! Mas pretendes continuar com ele?
Luísa – eu não sei, sabe o que Basílio se tornou para mim? Um marido pouco amado, que ia amar fora de casa! Vale a pena?
Leopoldina – Meus Deus criatura! No seu lugar já tinha terminado!
Mudança de iluminação.
Leopoldina – Quer dizer que voltastes para ele?
Luísa – Eu cheguei disposta a terminar tudo! Mas quando o vi tão suplicante! E quando ele me perguntou se era pra sempre e nunca mais, quando ouvi nunca mais, fui tomada de uma comoção e comecei a ter uma saudade de tudo o que tínhamos vivido e tive uma crise de choro!
Leopoldina – Quer dizer, Luísa, que ele conseguiu te engabelar outra vez!
Luísa – Não fales assim, Leopoldina!
Leopoldina – Tu sabes que é verdade o que te digo! Minha amiga, um romance é um navio, quando sentimos que está naufragando, o melhor que temos que fazer é abandoná-lo, ao invés de nos apegarmos ao desejo infantil que este não afunde, mas algumas pessoas precisam afundar com o navio para entender que não há mais jeito! Esse deve ser o seu caso!

Luísa – Este navio não está afundando! Nós nos amamos como nunca!

(continua na parte 2/10)

@@@@@

Marcelo Assis da Silva é Técnico de Finanças e Controle Externo e atua na Secretaria de Controle Externo de Aquisições Logísticas. Estudou roteiro na Escola de Cinema Darcy Ribeiro no Rio de Janeiro e montou e dirigiu o espetáculo “Swing Tântrico” também no Rio de Janeiro. “O Primo Basílio” é uma adaptação teatral do romance de Eça de Queiroz. 

terça-feira, 25 de março de 2014

O encalhamento do inesgotável navio do Balkash - conto de Paulo AVELINO

03 de Fevereiro

Os cronistas que se debruçaram sobre o assunto [Al-Wazahari Nilufar, Serguei Kovinev e Java Kharlilah, para quem a história depende exclusivamente dos heróis] concordam que a data de hoje, estabelecida para uma tempestade que teria jogado um navio de cinquenta braças contra as praias arenosas do Lago Balkash, é completamente arbitrária. Desde o primeiro registro [o de Nilufar] o barco já estava lá havia muito, sem que os moradores da aldeia ao lado soubessem quanto.

O episódio não teria importância, se os aldeões [nem eles sabiam desde quando] não tivessem o hábito de trocar as madeiras podres do barco, substituindo-as por novas. Até que em certo momento não havia mais madeiras originais no navio. Os letrados do Reino detonaram uma discussão: o navio continua o mesmo ou trata-se de outro navio?

A Escola de Shmharkkand defendia que o movimento não existia, a essência das coisas permanece e o barco era, sim, o mesmo dos tempos do seu infeliz e desconhecido dono. Os cadetes do Grupo da Mudança Inelutável afirmava que a essência se encontra na substância das coisas, e se a substância muda, a coisa também mudará. Como a madeira não era a mesma, o barco também era outro.


A discussão passou dos previsíveis panfletos, artigos e palestras, e quando chegou às facadas o Vizir as proibiu. Java Kharlilah afirma que, se não fosse o teimoso Vizir, já teríamos hoje uma resposta exata, embora tal otimismo esteja longe de ser unânime.

######

Este conto faz parte da série de 366 contos do gênero fantástico Efemérides de Amhitar, publicada ao longo de 2013, todos com um máximo de 1500 espaços.

O auditor Paulo Avelino atua na Secretaria Regional do Ceará e escreve contos e literatura digital. Coordena este blog.

Fotografias de Mauro MARTINS






 Impressionista, Águas Mornas, Santa Catarina.




Sweet Time, Chinatown, Bangkok




Olhares do Laos, beira do rio Mekong



Storseisundet, Noruega




O auditor Mauro Martins atua na Secretaria Regional de Santa Catarina e roda o mundo construindo belas imagens. Visite sua coleção de fotos.

As ACEs CATs contra os ratos do orçamento - parte 1 - Vídeo de Júlio CAT

video

“AS ACES CATS CONTRA OS
RATOS DO ORÇAMENTO”
-2004-

 

Filme de ficção abordando situação vivida em 2004, quando os auditores do Tribunal ainda eram chamados de ACE (Analistas de Controle Externo).

Duas ACEs invadem uma ONG, com força e perspicácia, e constatam várias irregularidades e desvios de dinheiro público.

Pelo excelente trabalho realizado, elas são recebidas pelo Presidente da República.

Direção: Júlio CAT

Júlio CAT, auditor lotado na Secretaria de Macroavaliação Governamental, produz vídeos amadores que abordam de forma cômica, principalmente, situações do cotidiano dos servidores do Tribunal

.

A Estagiária (1) África (1) Alemanha (7) Amhitar (6) Antônio Araújo (4) Antonio Carlos dos Santos (6) Antonio Moreno (5) Artes Plásticas (44) Artes Visuais (147) Artigo (1) As ACEs CATS (2) As Olimpíadas Mundiais dos Tribunais de Contas (1) Astros (2) Audiovisual (20) Avelina Almeida (13) Bélgica (1) Brasil (31) Brasília (1) Ceará (2) Comédia (13) Conto (15) Crítica de Arte (1) Crítica Literária (1) Crônica (13) Daniel Rodrigues (2) Dinamarca (6) Dipar (1) Divulgação (2) Drama (14) Dramaturgia (24) Elieser Cavalcante (1) Ensaio (4) Espaço Cultural Marcantonio Vilaça (2) Estacionamento Provisório (2) Estados Unidos (6) Ex-funcionários (2) Exequiel (3) Flores (4) Fotografia (110) França (6) Funcionários Ativos (248) Funcionários Inativos (6) Gabinete de Ministro (7) Gabpres (49) Gênero Fantástico (9) Geraldo Abreu (1) Gustavo Parolin (1) Holanda (14) Humor (20) Idelfonso Bezerra (1) Indonésia (1) ISC (18) J.JESUS (25) Japão (2) Jerson Brito (9) Jordânia (7) José Osterno (4) Josir Alves (1) Júlio Cat (18) Lançamento de Livro (4) Literatura (63) Luisa Franco (1) Marcelo Assis (20) Márcia Sartori (57) Márcio Braz (1) Márcio Hudson (3) Marco Aurélio (2) Marcos Valério (11) Mauro Martins (21) Michelle Glória (2) Mostra de Talentos (7) Musica (1) Noruega (2) Nova Iorque (2) O Primo Basílio (9) Oriente (1) Os Servidores do Tribunal de Contas Unido (2) Pacto de Sangue (1) Pagina das Vidas dos Servidores (1) Páginas das Vidas dos Servidores (1) Paisagem Praiana (16) Paisagem Rural (29) Paisagem Urbana (3) Paraíba (2) Paulo Avelino (13) Pintura (46) Poesia (24) Resenha de Livro (1) Retrato (3) Reunião sobre plano de auditoria (1) Romance (1) Romilson Rodrigues (1) Sátira (12) Secex-CE (21) Secex-GO (1) Secex-PA (2) Secex-PE (2) Secex-RN (11) Secex-RO (8) Secex-RS (1) Secex-SC (21) SecexEstatais RJ (2) Secretaria das Sessões (55) Selip (1) Selog (20) Semag (24) Seplan (1) Soneto (1) Swing Tântrico (6) TCU (1) TCU-Estados (30) TCU-Sede (166) Teatro (21) Técnica Mista (1) Tele trabalho (1) Tepires (24) Tiba (1) Transpantaneira (3) Tribunal de Contas Romano (3) Trova (2) Ubiratan Aguiar (3) Venezuela (6) Viagem (86) Vídeo (16) Waucilon (2)